CLOSE

Artista cria chão recheado de miniaturas humanas

Artista cria chão recheado de miniaturas humanas

O artista coreano Do-Ho Suh fez do chão algo muito interessante. Ele criou um piso cheio de miniaturas de humanos, que parecem estar usando toda sua força para segurar os humanos de verdade que por ali passam. Veja os detalhes nas imagens e saiba mais informações sobre o projeto a seguir.

Artista cria chão recheado de miniaturas humanas

Artista cria chão recheado de miniaturas humanas

Artista cria chão recheado de miniaturas humanas

Artista cria chão recheado de miniaturas humanas

O chão/escultura se encontra na galeria Lehmann Maupin em Nova York e chama a atenção dos visitantes que passam por lá.

Mais informações sobre a exposição podem ser vistas no site da galeria Lehmann Maupin.

[Via Neatorama]

Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
AUTOR

5 respostas

    1. A arte seria cliche se fosse assim. Falar amor, falar desigualdade, falar de fragilidade… seria tudo a mesma coisa. Então a arte não faria sentido. Arte não é falar de coisas originais, diria até que arte não é ser original. O que importa, na verdade, é o quão fundo você vai nas coisas mais óbvias. As pessoas olhando pra cima… na sua roupa de trabalho… completamente fora do que um ser humano deveria ser. O encosto que é o dinheiro. A sensação e a reflexão de quem pisa numa obra dessa deve ser muito engraçada hahaha enfim, o cara conseguiu passar muito com essa obra. Não é simplesmente “a elite por cima da classe média”.

  1. Achei fantástico! A ideia do artista foi muito bem exposta na obra. Pode ser clichê, pode ser “horrível pisar nas pessoas”, mas ele conseguiu expressar de uma forma magnifica e inovadora o que estamos cansados de observar nas sociedades atuais e porque não dizer até nas mais antigas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • • veja também:

  • AUTOR

    5 respostas

      1. A arte seria cliche se fosse assim. Falar amor, falar desigualdade, falar de fragilidade… seria tudo a mesma coisa. Então a arte não faria sentido. Arte não é falar de coisas originais, diria até que arte não é ser original. O que importa, na verdade, é o quão fundo você vai nas coisas mais óbvias. As pessoas olhando pra cima… na sua roupa de trabalho… completamente fora do que um ser humano deveria ser. O encosto que é o dinheiro. A sensação e a reflexão de quem pisa numa obra dessa deve ser muito engraçada hahaha enfim, o cara conseguiu passar muito com essa obra. Não é simplesmente “a elite por cima da classe média”.

    1. Achei fantástico! A ideia do artista foi muito bem exposta na obra. Pode ser clichê, pode ser “horrível pisar nas pessoas”, mas ele conseguiu expressar de uma forma magnifica e inovadora o que estamos cansados de observar nas sociedades atuais e porque não dizer até nas mais antigas.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • • veja também: