CLOSE

Especial: Lord of the Rings – Conquest. Com vídeo.

Especial: Lord of the Rings - Conquest. Com vídeo.

A famosa série de J.R.R . Tolkien – Senhor dos Anéis – já rendeu diversos jogos de vídeo games. O último lançado da série é o Lord of the Rings: Conquest. O jogo pode ser classificado como um game de ação em terceira pessoa, com o objetivo de combatater o inimigo usando intensamente os botões para promover a pancadaria. O jogo é baseado no filme trazendo os mesmos cenários e personagens, sendo a missões do Conquest a única diferença deste jogo em relação aos jogos anteriores. Veja mais imagens, informações e um vídeo do jogo a seguir.


O jogo da Electronic Arts foi lançado em Janeiro deste ano para as plataformas PC, Xbox 360 e PlayStation 3 e custa cerca de R$99,00. Cada cenário de Conquest vem recheado de vários objetivos como, por exemplo, dominar e defender determinados pontos de captura por tempo determinado, combater ondas de inimigos e enfrentar de vez em quando um herói como se fosse um chefe de fase. Em uma das missões é possível jogar com o lado do mal, impedindo Frodo a destruir o anel. Apesar da aparente variedade, as missões na maioria das vezes são repetitivas e banais. Veja algumas imagens do jogo abaixo (clique nelas para ampliá-las).

Especial: Lord of the Rings - Conquest. Com vídeo.

Especial: Lord of the Rings - Conquest. Com vídeo. Especial: Lord of the Rings - Conquest. Com vídeo. Especial: Lord of the Rings - Conquest. Com vídeo.
Especial: Lord of the Rings - Conquest. Com vídeo. Especial: Lord of the Rings - Conquest. Com vídeo. Especial: Lord of the Rings - Conquest. Com vídeo.


Personagens: 

O jogador pode escolher entrar para a batalha utilizando uma das quatro classes: Guerreiros – fortes e mais eficientes no combate corpo-a-corpo, podendo usar ataques com espada flamejante; Batedores (Scouts) – não tão fortes como os guerreiros, porém hábeis e velozes no combate corpo-a-corpo, podem se camuflar adquirindo invisibilidade parcial para matar inimigos por trás (útil para capturar um ponto de controle esquecido ou matar um herói do outro time); Arqueiros – usando de flechas comuns, flamejantes ou envenenadas, são úteis no combate à distância e podem causar ferimento crítico ao inimigo; Magos – soltam raios e conseguem recarregar sua própria a saúde e de aliados, além de utilizar um escudo de defesa; e, por fim, os Heróis, que são versões melhoradas das classes de combatentes acima referidas. Os heróis possuem habilidades diferenciadas e num determinado momento da batalha temos a opção de jogar utilizando um deles.

Há vários tipos de inimigos no jogo: soldados, oficiais, capitães, gigantes e heróis. Os soldados são os inimigos mais fáceis de serem derrotados – até demais. Já os oficiais conseguem se defender mais, sendo superados pelos capitães, estes sim, difíceis demais. Entre os gigantes, temos os Trolls e os Ents. Além disso, há também diversos monstros a serem derrotados e que até mesmo podem ser usados na batalha, como os Olifantes.


Controles:

Apesar de parecer um jogo legal e com cenários bem feitos, o sistema de batalha é desequilibrado (inimigos fáceis e difíceis ao extremo) e sua jogabilidade é imprecisa. O time de personagens controlados pela IA que deveriam ajudar o jogador, acabam deixando que o jogador na mão cuidando de toda a pancadaria sozinho. Pra piorar, o número exagerado de oponentes por metro quadrado somado a imprecisão de alguns golpes (especialmente no corpo-a-corpo) faz os diferentes comandos de ataque serem esquecidos, transformando tudo em uma overdose descontrolada de cliques no mouse. Em algumas fases, chega a ser desesperador ver o nosso herói cercado por todos os lados e sendo mais malhado do que um Judas em época de Páscoa. 


Gráficos e Som:

os cenários poderiam ser melhores. Apenas alguns cenários do jogo realmente trazem mais qualidade – o restante deixa a desejar. Os muros invisíveis estão presentes no jogo, bem como alguns lugares em que o jogador pode cair desavisado em um abismo. No mais, os cenarios não impressionam.

O som do jogo é bom. ideal para um jogo de batalhas épicas, as músicas condizentes, sendo o único problema dele, a voz de um comandante que fica lembrando o jogador o tempo todo o que ele precisa fazer. Lembra até aqueles caras “malas” que ficam querendo ensinar você a fazer seu seu serviço.


Conclusão:

É impossível ignorar a má qualidade da jogabilidade de Conquest, como o combate desequilibrado, difícil e impreciso. Apesar do jogo oferecer diversão na parte online, não traz nada de realmente novo e inovador a um mercado já saturado com títulos semelhantes e melhores. Aos menos exigentes e fãs de LOTR é uma boa opção. Mas, aqueles que procuram por algo realmente inovador, LotRC não atenderá as expectativas e fará o jogador sentir saudades de LOTR – Return of The King para PS2. Veja vídeo com o gameplay do jogo abaixo e tire você mesmo suas conclusões.




Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
AUTOR
  • • veja também: